Como o Coronavirus se comporta em etiquetas e embalagens

Uma das maiores dúvidas dos consumidores é saber se é seguro receber as compras do mercado, as embalagens de comida delivery ou sobre etiquetas aplicadas à mão.

Compartilhe:
  • ...
  • ...
  • ...

Diante de tanta instabilidade a qual estamos expostos, ainda não é possível responder a essa pergunta de modo definitivo. O que se pode

dizer é que é relativamente seguro, e embalagens representam baixo risco de contágio segundo fontes oficiais.

As maiores questões sobre a segurança das embalagens e de determinados objetos, vêm de informações secundárias, porém sem muita

comprovação concreta cientificamente, sobre o tempo em que o vírus é capaz de sobreviver em diferentes superfícies.

  • Aço: 48 horas;
  • Plástico: 5 dias;
  • Silicone: 5 dias;
  • Vidro: 4 dias;
  • Cerâmica: 5 dias;
  • PVC: 5 dias;
  • Metais: 5 dias;
  • Papel: de 4 a 5 dias;
  • Madeira: 4 dias;
  • Alumínio: de 2 a 8 horas;
  • Látex: 8 horas;
  • Teflon: 5 dias.

Segundo a Organização Pan-Americana da Saúde, ligada à Organização Mundial da Saúde (Opas/OMS), estudos demonstraram que o vírus

da COVID-19 pode sobreviver por até 72 horas em plástico e aço inoxidável, menos de 4 horas em cobre e menos de 24 horas

em papelão.

É preciso considerar que a maior parte dos estudos foram feitos em ambientes com alto índice de contaminação, como em hospitais por

exemplo.

As pessoas que entram em contato com superfícies potencialmente infectadas frequentemente também têm contato próximo com a pessoa infectada, dificultando a distinção entre transmissão por gotículas respiratórias ou por superfícies. (OPAS/OMS)

Quais as recomendações para embalagens?

O fato da OMS manter a contaminação por superfícies como uma possível forma de contágio não significa que seja necessária

preocupação extrema, já que tanto a OMS quanto a FDA (Food and Drug Administration - Estados Unidos) afirmam que é seguro lidar com embalagens, e ambas as instituições também reforçam que não há caso comprovado de contágio do novo coronavirus por superfícies

contaminadas:


O Vírus pode ser transmitido através de alimentos, embalagens ou local de preparo?


Não há nenhuma evidência de alimentos, embalagens ou áreas de preparo associadas à transmissão de COVID-19.

As compras, embalagens e encomendas devem ser higienizadas?

Segundo a OMS, o mais importante a se saber sobre a presença de coronavírus em superfícies é que elas podem ser facilmente limpas

com desinfetantes domésticos comuns como Alvejante ou Álcool 70, que matam o vírus.

A FDA também coloca em suas recomendações, a importância de lavar bem as mãos após manusear embalagens de alimentos, antes de

prepará-los e antes de comer.

As mãos devem ser frequentemente limpas com água e sabão por pelo menos 20 segundos, ou higienizadas com álcool em gel. Superfícies

em contato com materiais diferentes e expostas a diferentes pessoas, como balcões de atendimento ao público, devem ser limpas e

desinfetadas com frequência.

É de extrema importância evitar tocar nos olhos, na boca ou no nariz. O uso da máscara também é um fator de extrema importância, pois

além de obrigatório, pode sim evitar o contágio através de gotículas de saliva expelida ao espirrar, tossir e até mesmo no falar.

Como as minhas etiquetas e embalagens se comportam em relação ao coronavirus. As embalagens e etiquetas comuns agora também passam por processo de

limpeza pelo consumidor, o que pode fazer com que a etiqueta desfaça ou a informação apague, principalmente no caso da impressão térmica. Em alguns casos, o álcool é capaz de apagar a tinta de impressão.


Fontes:

OPAS/OMS

https://iris.paho.org/handle/10665.2/52472


FDA/USA

https://www.fda.gov/emergency-preparedness-and-response/coronavirus-disease-2019-covid-19/covid-19-frequently-asked-questions#food